Parking News

Artigos

Mobilidade urbana: qual a tendência para os estacionamentos

27/03/2018


Voltar


garagemsubterranea-894

Por Marcelo Gait

As questões envolvendo mobilidade urbana ficam evidentes nas grandes cidades, com o crescimento do número de aplicativos e alternativas de transporte que representam quase sempre ganho em qualidade de vida. São apps de carona, compartilhamento de veículos, aluguel de carros entre outros. Todas essas novas tecnologias, contudo, ainda guardam uma característica em comum: possuem os automóveis como pilar central de sua atividade econômica. Por essa razão, pode-se prever que os veículos ainda continuarão a fazer parte da vida das pessoas por muitos anos.

Somente em São Paulo, cerca de 30% da população se locomove de carro. É um número semelhante à parcela que utiliza transporte público ou prefere caminhar. Esta realidade ocorre por conta da distância entre onde as pessoas moram e as oportunidades de trabalho, serviços e lazer.  Enquanto Paris e Barcelona, por exemplo, possuem densidade populacional superior a 17 mil pessoas por quilômetro quadrado, no Brasil, todas as cidades possuem índices abaixo de 8 mil - e o resultado dessa equação é uma grande necessidade de deslocamento diário e concentrações populacionais que variam de lugar durante o dia. Cerca de 70% dessas viagens são ocasionadas pela busca de escola e trabalho. Logo, estacionar o carro num lugar próximo do destino se tornou uma grande necessidade ao longo dos anos.

Com este cenário, os estacionamentos sempre foram considerados um dos grandes vilões do trânsito intenso, já que se atribui ao maior número de estabelecimentos o crescimento da frota de veículos. É uma visão equivocada, já que os usuários do serviço mantêm o carro parado durante a maior parte do dia, diferentemente dos veículos usados para transporte de passageiros, que circulam pela cidade o dia todo. É preciso também lembrar que os estacionamentos atendem a uma demanda secundária.

Os carros são um dos principais motores da economia e as pessoas os utilizam porque precisam; seja como uma alternativa mais independente de deslocamento, mais rápida, barata ou prática, de acordo com a necessidade de cada um. Para abolir de vez o uso dos automóveis particulares, precisamos de alternativas melhores e que atendam a todas as classes sociais. No que diz respeito ao transporte público, ainda estamos muito longe desta realidade.

Neste contexto, os estacionamentos são de vital importância para a atividade do comércio em várias regiões da cidade, evitando o surgimento de zonas decadentes e garantindo a praticidade econômica e valorização de diversos endereços. O setor vem crescendo mesmo com a crise. O número de funcionários quase dobrou entre 2007 e 2015. Já a receita cresceu quatro vezes, superando R$ 2 bilhões de faturamento anual.

É uma realidade que deve se manter mesmo com o crescimento das novas tecnologias, uma vez que os estabelecimentos estão se modernizando e se adaptando aos novos hábitos do consumidor. No futuro, veremos os estacionamentos não só como um lugar para deixar nossa propriedade, mas como locais para carregamento de carros elétricos, ponto de coleta e devolução de automóveis compartilhados e manutenção de veículos autônomos. E por que não imaginar que um dia eles também sejam utilizados como pontos de pouso e decolagem dos carros voadores?


Outras matérias da edição


Primeira reunião com associados na nova sede

  No último dia 21 de março, o presidente do Sindepark, Marcelo Gait, e outros membros da Diretoria, receberam diversos associados para um breakfast, marcado para que fossem conhecer a nova se (...)


Retomada econômica deve aumentar demanda por vagas

Por Jorge Hori* Os movimentos anticarros, com grande penet (...)


Liminar põe projetos imobiliários em risco

Uma liminar concedida pelo Tribunal de Justiça (TJ) de São Paulo no fim de fevereiro, vetando o “direito de protoco (...)


Prefeito propõe mudar bairros e recebe crítica

Dois anos após ter sido sancionada pelo então prefeito Fernando Haddad (PT), a Lei de Parcelamento, Uso e Ocupaç&a (...)


Lei que regulamenta o transporte por aplicativos entrou em vigor

A lei que regulamenta o transporte privado de passageiros por aplicativos, como Uber e Cabify, foi publicada no "Diári (...)


CNH digital é lançada na Capital

O Governo passa a emitir gratuitamente a CNH Digital, com validade em todo o país por meio do aplicativo do Departamento Nacional de Tr&ac (...)


Denatran suspende resolução que regulamenta placas padrão Mercosul

O Denatran, Departamento Nacional de Trânsito, anunciou a suspensão, pelo prazo de 60 dias, da Resolução nº 729 (...)


Teste de sistema da Área Azul com "QR Code" começa em S. J. do Rio Preto (SP)

A fase de testes do novo sistema de cobrança pelo serviço da Área Azul em Rio Preto começou dia 26. Os fiscais passar&a (...)


Isenção não atrai empresários para estacionamentos verticais (MS)

Mesmo com 100% de isenção fiscal, tanto no Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISSQN) quanto no Impos (...)


Nova Zona Azul funciona em agosto (Fortaleza)

Após ajustes no edital - que deveria ser lançado na primeira semana de janeiro - está aberto Chamamento P& (...)


MPF faz ação contra Prefeitura por estacionamentos irregulares em São Luís, no Maranhão

  O Ministério Público Federal no Maranhão propôs ação civil pública contra o Município de São Luís por omissão de providências para (...)


Financiamento de veículos cresce 24% em um ano, aponta Banco Central

O volume de crédito para o financiamento de veículos cresceu 24,2% em um ano, considerando o resultado acumulado do (...)


Carro flex chega aos 15 anos com 30,5 milhões de unidades

Há 15 anos, em 24 de março de2003, aVolkswagen do Brasil apresentava o carro flex, que pela primeira vez possibilit (...)


Cadastre a sua empresa no Sindepark

Clique Aqui