Parking News

Geral

OIT confirma que reforma trabalhista respeita direitos

12/06/2018


Voltar


jovemaprendiz-531

Após as informações prestadas pelo governo brasileiro, a Organização Internacional do Trabalho (OIT) não encontrou elementos suficientes que pudessem respaldar a denúncia apresentada por representante de trabalhadores de que o Brasil teria descumprido a Convenção 98 e apenas pediu informações adicionais até novembro de 2018, para conhecer melhor os aspectos da modernização trabalhista realizada pelo país.

A Comissão de Aplicação de Normas da OIT entendeu, dia 7, que a modernização da legislação trabalhista brasileira não descumpre a convenção da entidade, que diz respeito às negociações coletivas. A decisão acaba com especulações de que o país estaria eliminando direitos trabalhistas a partir das modificações na lei.

“Estamos muito satisfeitos com o resultado. Após ouvir os argumentos dos trabalhadores, dos empregadores e do governo, a comissão decidiu apenas solicitar informações adicionais ao governo brasileiro”, declarou o ministro do Trabalho, Helton Yomura, que participou da 107ª Conferência Internacional da entidade, em Genebra, na Suíça.

No documento, a OIT pede o detalhamento e a análise dos termos da aplicação dos princípios da “negociação coletiva livre e voluntária na reforma trabalhista”, além de informações sobre as “consultas tripartites com os interlocutores sociais a respeito da reforma trabalhista”.

A Comissão também admitiu que a análise foi feita “fora do ciclo regular”, ou seja, não obedeceu aos prazos previstos, já que o caso brasileiro só deveria voltar a ser avaliado em 2019, dentro de um processo normal, e não durante a Conferência de 2018.

Defesa

Helton Yomura explicou que a defesa do Brasil na Comissão de Aplicação de Normas da OIT foi eminentemente técnica, demonstrando “de forma cabal” que as observações dos peritos eram inconsistentes e não mereceriam ser acolhidas. “Isso é muito claro para qualquer pessoa com conhecimento jurídico que queira analisar o caso sem preconceitos ou motivações ideológicas”, salientou.

O ministro ressaltou que o Brasil não apenas não viola a Convenção 98  como promove essa convenção. “Quer forma mais forte de promover a negociação coletiva do que dar força de lei aos seus resultados?”, questionou.

Denúncia inconsistente

O objetivo de representante se trabalhadores era que a comissão declarasse haver incompatibilidade entre artigos da reforma trabalhista – em particular o que prevê a prevalência do negociado sobre o legislado – e a Convenção 98 da OIT. Mas a comissão não encontrou argumentos técnicos suficientes que justificassem qualquer manifestação contrária da OIT à modernização da trabalhista promovida pelo Brasil.

A principal alegação era de que a prevalência do negociado sobre o legislado poderia levar à supressão de direitos. “Isso não acontece, porque os direitos trabalhistas têm proteção constitucional e não podem ser retirados, nem há reforma da própria Constituição”, explicou Yomura.

Ele acrescentou que só poderia ocorrer prejuízo ao trabalhador se ele não fosse bem representado por seu sindicato e, mesmo sendo prejudicado, aprovasse um pacto ruim. “Como temos sindicatos bons e fortes, isso simplesmente não acontece. Ou seja, as alegações não encontram qualquer fundamento na realidade”, destacou.

Fonte: Ministério do Trabalho, Assessoria de Imprensa, 08/06/2018


Outras matérias da edição


Estacionamentos e os ajustes à demanda

Por Jorge Hori* - O "mercado" caminha no sentido da redução g (...)


Estacionar próximo do destino é uma necessidade

A seguinte matéria, com entrevista do presidente do Sindepark, Marcelo Gait, foi publicada na edi&cce (...)


Sindepark divulga resultado de pesquisa no Centro Parte 1

O Sindepark está realizando pesquisa sobre a atividade na região Centro da cidade de São Paulo. Devido &ag (...)


Indigo aposta no mercado de Minas Gerais com cinco novas operações

A Indigo, operadora francesa de estacionamentos presente em três continentes, pretende expandir a sua atuação em Mi (...)


Projeto visa extinguir a cobrança de uma hora (Votuporanga/SP)

Tramita na Câmara Municipal de Votuporanga uma proposta para extinguir a cobrança fracionada de uma hora para esta (...)


Área Azul terá período gratuito (Rio Claro/SP)

Os motoristas que utilizam o sistema de área azul em Rio Claro devem ficar atentos. A Hora Park, empresa que administr (...)


BH adota rotativo digital (MG)

A forma como o belo-horizontino estaciona seu veículo em vagas públicas vai mudar depois de 50 anos da publicação (...)


Seguro no parquímetro (Vila Velha/ES)

Projeto do vereador de Vila Velha Heliosandro Mattos prevê que a empresa que explora o estacionamento rotativo cont (...)


Estacionar em local proibido lidera o ranking das infrações (ES)

Nos cinco primeiros meses deste ano, 1.282 motoristas foram multados por estacionar em locais proibidos no Espírito Santo &mdash (...)


Estacionamentos gratuitos em Jaboatão (PE)

Seis estacionamentos de pontos comerciais dos bairros de Piedade, Candeias e Prazeres, em Jaboatão dos Guararapes, foram d (...)


O estacionamento do futuro

O carro elétrico, em breve, vai dominar as grandes cidades - esse é o plano de praticamente todas as grandes montador (...)


O excêntrico “Museum Garage” de Miami

  Após mais de dois anos de planejamento e construção, o Miami Design District está abrindo o tão esperado Museum Garage. O complexo eclético está localizado a apenas (...)


Cadastre a sua empresa no Sindepark

Clique Aqui