Parking News

Inteligência Estratégica

Mobilidade urbana, solução a curto e longo prazo

03/04/2018


Voltar


avstoamaro-529

Por Jorge Hori*

Para melhorar a vida das pessoas nas cidades pode-se facilitar a mobilidade urbana ou reduzi-la.

A primeira opção envolve a ampliação do sistema viário, eliminação dos pontos de conflito, aumentar a oferta de serviços de transporte coletivos e melhorar a sua qualidade.

Duas principais objeções são colocadas: não há recursos públicos suficientes e ampliar a infraestrutura atrai mais veículos e mais pessoas. O resultado final poderia ser a piora da mobilidade.

Reduzir a mobilidade significa aproximar mais as funções urbanas, de tal forma que as pessoas possam reduzir os seus trajetos, utilizar mais meios não motorizados e reduzir a sobrecarga sobre a infraestrutura e serviços de transporte.

Reduzir a mobilidade é uma solução de longo prazo, requerendo uma profunda mudança cultural. Que se reflita nas políticas urbanas.

Nas grandes cidades, dominadas pelo sistema capitalista e liberal, com focos de resistência socialista, as soluções para a mobilidade urbana precisam ser de mercado. Fora dele serão paliativos artificiais.

A regra básica de mercado é: quanto maior a demanda, maior o preço. Em contrapartida, preços mais altos desestimulam a demanda, restabelecendo o reequilíbrio entre oferta e demanda.

A demanda de carros e, consequentemente, de vagas de estacionamento decorre da demanda das pessoas por um destino. As áreas de escritórios tendem à concentração espacial, gerando a demanda de pessoas e carros a esses locais.

O preço dos estacionamentos sobe com a demanda, mas a oferta alternativa de vagas tende a conter os aumentos. São as vagas gratuitas nas vias públicas mais distantes dos polos de destino.

Nas vias próximas, em função do tráfego de veículos, o Poder Público tende a proibir o estacionamento. O pouco que é permitido, incluindo as vagas pagas por tempo limitado (zona azul), tende a ser rapidamente preenchido, pelos madrugadores, não afetando a demanda dos que seguem os horários de expediente comercial.

Os madrugadores, em função do horário, não geram congestionamentos. Não comprometem a mobilidade urbana.

O problema da mobilidade urbana está no horário comercial.

Dentro da dinâmica de mercado, a inibição da demanda por vagas, afetando o uso do carro, está no preço mais elevado pelo uso das vagas.

Essa condição teria um efeito similar ao do pedágio urbano.

Porém essa lógica sofre dois importantes vazamentos:

- os aplicativos de chamada que facilitam os serviços de transporte individual, sem uso dos estacionamentos pagos, e os estacionamentos irregulares, que não cumprem todas as exigências legais.

Duas ações públicas são essenciais: uma fiscalização mais efetiva contra o uso de vagas proibidas nas vias públicas e o fechamento de garagens clandestinas.

Dentro da evolução tecnológica, o controle dos estacionamentos em locais não permitidos poderia ser feita por câmeras comunitárias, organizadas pelos moradores, com o apoio de empresas privadas. Essas câmeras financiadas pelo setor privado seriam conectadas com as autoridades de trânsito, para a aplicação das devidas multas.

Já a interdição temporária ou definitiva de estacionamentos clandestinos dependerá de fiscalização presencial.

Não adiantam boas regras se elas não são fiscalizadas. No Brasil, não basta a regra para as pessoas seguirem. Só vão atender se forem punidas. Às vezes, nem com as punições.

*Jorge Hori é consultor em Inteligência Estratégica e foi contratado pelo SINDEPARK para desenvolver o estudo sobre a Política de Estacionamentos que o Sindicato irá defender. Com mais de 50 anos em consultoria a governos, empresas públicas e privadas, e a entidades do terceiro setor, acumulou um grande conhecimento e experiência no funcionamento real da Administração Pública e das Empresas. Hori também se dedica ao entendimento e interpretação do ambiente em que estão inseridas as empresas, a partir de metodologias próprias.

NOTA:

Os artigos assinados não refletem necessariamente a opinião do SINDEPARK.


Outras matérias da edição


Aproveite os benefícios de ser associado do Sindepark

Ao se associar, toda empresa pode contar com a força do Sindepark, um verdadeiro parceiro para a gestão dos negóci (...)


Consumidor paga R$ 246 por mês para estacionar

Para estacionar o carro nos principais bairros da capital paulista ou em Guarulhos (Grande SP), o motorista gasta, em m&e (...)


Garagem solar pública para abastecimento de carros elétricos

Em 2017, foram vendidos 3.296 carros híbridos e elétricos no país, de acordo com a Associação Nacion (...)


Nova lei trabalhista faz desaparecer ações por danos morais e insalubridade

Nos três primeiros meses completos de vigência da reforma trabalhista, o número de novas açõ (...)


Emurb inicia testes do novo sistema da Área Azul (São José do Rio Preto)

Os testes do novo modelo de venda da Área Azul em Rio Preto começaram dia 28, em Rio Preto. Inicialmente, apenas um (...)


Reajuste da área azul é avaliado pela Prefeitura (Limeira)

As vagas de estacionamento da área azul em Limeira são administradas pela Hora Park. Atualmente, são 2.695 vag (...)


Concessão quadruplica vagas e aumenta o horário de cobrança (Americana)

A concessão da Área Azul de Americana à iniciativa privada deve praticamente quadruplicar o númer (...)


Uma frota atrás das grades (Belo Horizonte)

A cada dia em Belo Horizonte, uma fila de veículos infratores troca o estacionamento nas ruas pelo pátio de recolhimento, (...)


Usar o carro cada vez menos (Recife)

Desestimular o uso do transporte motorizado individual – o automóvel – será o principal conceito do Pla (...)


Após melhor mês do ano, vendas de carros passam de 500 mil em 2018

  No que foi o melhor mês do ano até agora, março atingiu o patamar de 200 mil automóveis e comerciais leves vendidos, apontando crescimento consistente de 8,8% sobre março do ano p (...)


Cadastre a sua empresa no Sindepark

Clique Aqui